quinta-feira, 30 de agosto de 2012

Dissertação de Mestrado - Luciano Gomes: "A GESTÃO DO CUIDADO NA EDUCAÇÃO POPULAR EM SAÚDE: um estudo a partir da obra de Eymard Mourão Vasconcelos"



Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Clínica Médica da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Linha de Pesquisa Micropolítica do Trabalho e do Cuidado em Saúde defendida em 2010.

Orientador:
Emerson Elias Merhy


“Há homens que lutam um dia, e são bons; há homens  que lutam por um ano, e são melhores; há homens que lutam por vários anos, e são muito bons; há outros que lutam durante toda a vida, esses são imprescindíveis.” 
Bertolt Brecht (1898-1956)


DISSERTAÇÃO DE MESTRADO - RICARDO MOEBUS - "O TRATAMENTO INVOLUNTÁRIO EM ATO DE DELICADEZA "


Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Clínica Médica da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Linha de Pesquisa Micropolítica do Trabalho e do Cuidado em Saúde defendida em 2008.

Orientador:
Emerson Elias Merhy

TESE DOUTORADO - ROSSANA BADUY: GESTÃO MUNICIPAL E PRODUÇÃO DO CUIDADO: ENCONTROS E SINGULARIDADES EM PERMANENTE MOVIMENTO


Tese de Doutorado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Clínica Médica da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Linha de Pesquisa Micropolítica do Trabalho e do Cuidado em Saúde defendida em 2010.

Orientadores:
Laura Camargo Macruz Feuerwerker
Emerson Elias Merhy



A escrita é um campo de vibração onde palavras
surgem, juntam-se a outras, para depois se separarem,
juntarem-se a outras ainda e desaparecerem ao sabor dos
fluxos com os quais o texto está conectado (ROLNIK, 2005 p185-6)


Tese Doutorado - Débora Bertussi - O APOIO MATRICIAL RIZOMÁTICO E A PRODUÇÃO DE COLETIVOS NA GESTÃO MUNICIPAL EM SAÚDE


Tese de Doutorado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Clínica Médica da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Linha de Pesquisa Micropolítica do Trabalho e do Cuidado em Saúde defendida em 02/09/2010.

Orientadores:
Laura Camargo Macruz Feuerwerker
Emerson Elias Merhy


nem toda hora
é obra
nem toda obra
é prima
algumas são mães
outras irmãs
algumas
clima
Paulo Leminski (1985)



quarta-feira, 29 de agosto de 2012

Denise Mattos indica:

KAFKA MACHINE CENA 1: RECRUTAMENTO

24 de Novembro, 18h às 20h, Casa Conveniente
ENTRADA LIVRE
Um evento único com dezenas de participantes, na rua e para a rua, em dia de greve geral.
Na véspera do embarque num transatlântico rumo ao Brasil, três colectivos de Helsínquia (Mollecular Organization), Paris (Presque Ruines) e São Paulo (Cia Teatral Ueinzz) apresentam na Casa Conveniente a primeira etapa do projecto Kafka Machine.

Emerson Merhy: O Apoiador pode ser um cartógrafo?




Foi realizado em Brasília, no Ministério da Saúde, no dia 12 de julho de 2012 encontro do conjunto de apoiadores das varias frentes do Ministério, para o qual Emerson Merhy foi convidado para falar sobre cartografia. A fala partiu da pergunta: O Apoiador pode ser um Cartógrafo?

terça-feira, 28 de agosto de 2012

Debate sobre Cartografia para Outubro/2012

Encontrar é achar, é capturar, é roubar, mas não há método para achar, só uma longa preparação. Roubar é o contrário de plagiar, copiar, imitar ou fazer como. A captura é sempre uma dupla-captura, 
o roubo, um duplo-roubo, e é isto o que faz não algo de mútuo, mas um bloco assimétrico, uma evolução a-paralela, núpcias sempre “fora” e “entre”. 
Gilles Deleuze e Claire Parnet, Dialogues

Leitura do livro:
ROLNIK, Suely. Cartografia sentimental: transformações contemporâneas do desejo. Porto Alegre: Sulina; Editora da UFRGS, 2006.
"O cartógrafo é antes de tudo um antropófago."


PASSOS, E.; KASTRUP, V.; ESCÓSSIA, L. (Orgs.). Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2009.
Leitura da Pista 1
A cartografia como método de pesquisa-intervenção / 17
Eduardo Passos e Regina Benevides de Barros




segunda-feira, 27 de agosto de 2012



Vale a pena ver os vídeos com a fala de Fátima Lima no Conselho Regional de Psicologia/ RJ na  semana passada. O evento foi promovido pelo Fórum sobre Medicalização da Educação e da Sociedade em parceria com o conselho e se chamou STOP DSM. Foi transmitido ao vivo pela Rede HUMANIZASUS... A fala de Fátima Lima neste dia foi produzida a partir das vivências no espaço da linha de pesquisa Micropolítica do Trabalho e o Cuidado em Saúde, ou seja, sua fala o tempo inteiro foi constrída pelas discussões, reflexões e pelo respeito incondicional que  temos em DEFESA DA  VIDA!!!! 
Links abaixo:

http://www.ustream.tv/recorded/24894186

http://www.ustream.tv/recorded/24895032

Transhomens – o direito de ser diferente - Blog do CEBES



Vale a pena ler esta matéria escrita por João W. Nery no Blog do CEBES.
Li o livro Viagem solitária do mesmo autor, é imperdível!!!





Paulo Leminski


Nunca cometo o mesmo erro

nunca cometo o mesmo erro
duas vezes
já cometo duas três
quatro cinco seis
até esse erro aprender
que só o erro tem vez

Paulo Leminski


Colóquio: "Semiótica, Afecção e Cuidado em Saúde"


Evento promovido pelo Instituto de Saúde da Comunidade da UFF.



Entre os dias 11 e 14 de setembro de 2012, das 8h30 às 20h será realizado o 1º Colóquio Internacional/2º Colóquio Nacional “Semiótica, Afecção e Cuidado em Saúde”. Aberto ao público interno e externo, o evento ocorrerá no auditório Florestan Fernandes, localizado no Campus do Gragoatá, bloco D, térreo e é destinado a todos aqueles interessados no tema, sem restrição de área de saber, nos âmbitos nacional e internacional.
Segundo os organizadores, o grande objetivo do encontro é construir dispositivo institucional, onde profissionais dos cenários nacional e internacional de diferentes campos de saber, implicados com certo pensamento filosófico, possam sob uma perspectiva transdisciplinar - saúde, filosofia, arte e educação - fomentar a necessidade problematizar o cotidiano das práticas de cuidado em sua complexidade.
O evento é uma realização das Pró-Reitorias de Extensão e de Pós-Graduação, Pesquisa e Inovação com o Instituto de Saúde da Comunidade, por meio dos Departamentos de Saúde e Sociedade e Planejamento em Saúde, assim como com o Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva e do Laboratório de Estudos Transdisciplinares dos Processos de Subjetivação Contemporâneos “Clínica dos Afectos: a afirmação da Ética, da Estética e do Político”- LETCA/CNPq ─ com o apoio dos Departamentos de Filosofia e de Educação da UFF, de Filosofia, da UERJ, e de História, da UNESP-Assis.
As inscrições são gratuitas e poderão ser realizadas enviando e-mail para:coloquiouff@gmail.com, no período de 20 de agosto a 4 de setembro. Haverá certificado para quem frequentar 75% das atividades.
CONFERENCISTAS
Adrián Cangi - Argentina
André Mota - Brasil
Anne Sauvagnargues - França
Daniela Guimarães - Brasil
Elizabeth Barros de Barros - Brasil
Hélio Rebello Cardoso Jr. - Brasil
Ivair Coelho Lisboa - Brasil
James Arêas - Brasil
José Luís Câmara Leme - Portugal
Luís Antônio Cunha Ribeiro - Brasil
Luiz Fuganti - Brasil
Tereza Calomeni - Brasil
Veronica Damasceno - Brasil
11 a 14 de setembro de 2012 - 8h30min às 20h
Auditório Florestan Fernandes /Campus do Gragoatá - Bloco D - UFF
Inscrições::de 20 de agosto  a 4 de setembro
coloquiouff@gmail.com

domingo, 19 de agosto de 2012

Luciano Gomes indicou para quem não foi para o recente Seminário Internacional de Atenção Básica no Rio de Janeiro, ou para quem foi e não viu, ou para quem viu e quer rever, seguem os links de duas das melhores falas que ocorreram lá:
A fala do Gastão Wagner como debatedor em uma mesa: 




E a fala de Emerson Merhy como debatedor em outra mesa:


 


Não percam!!! Luciano Gomes refere por exemplo, que a fala do Emerson, que ele não viu porque estava participando de outra mesa no mesmo momento, assistiu e gostou!!! Segundo ele as duas estão com ótimo áudio e boa definição de vídeo, podendo usar muito bem para exibir em diversos espaços.
Ele ainda chama atenção que  cada uma só dura 30 minutos, sendo um tempo interessante para assistir e depois debater nos vários coletivos que participamos e interagimos.
Compartilhem com mais pessoas, pois eles trazem questões centrais para pensarmos os desafios e rumos para o SUS e as políticas públicas no Brasil.

quinta-feira, 16 de agosto de 2012

segunda-feira, 13 de agosto de 2012

Ordem de Choque - Samba de Protesto

A Monica Rocha indicou um samba (Ordem de Choque) de protesto de cidadãos cariocas indignados com o que é visto no dia a dia da cidade.
Vale a pena conferir!!!

domingo, 12 de agosto de 2012

Encontro de Setembro 2012

Para o próximo encontro em setembro teremos a seguinte agenda:

12/09/2012 - Mnhã e tarde - Debate sobre: sobre o capitulo 1 do livro de DELEUZE, G.; GUATTARI, F. Mil Platôs: Capitalismo e Esquizofrenia. v. 2. Rio de Janeiro: Ed. 34,1995.
http://www.ileel.ufu.br/lep/arquivos/textos_geral/Mil_Platos_2.pdf

E o livro de DELEUZE, G & GUATTARI, F.  Kafka: por uma literatura menor. Rio de janeiro, Imago Ed., 1977. 127 p.
http://www.4shared.com/document/N05e6BT8/Deleuze_e_Guattari_-_Kafka_por.html
http://moodle.ufsc.br/mod/resource/view.php?id=252224


13/09/2012 -Manhã - Debate sobre projetos de pesquisa em construção.
                    Tarde - Fundação Casa Rui Barbosa - Rodas de Conversa: 
                             Polissemias Trans com João W. Nery e Debatedora
                             Fátima Lima/Sociologa,  Professora e Pesquisadora da
                             UFRJ/Linha de Pesquisa Micropolítica do Cuidado e 
                             Trabalho em Saúde



14/09/2012 - Manhã - Debate sobre projetos de pesquisa em construção.
                   Tarde - Debate sobre projetos de pesquisa em construção.

terça-feira, 7 de agosto de 2012

Entrevista com Bruno Latour - Valor Econômico

Denise indicou para leitura a entrevista com o  francês Bruno Latour por Carla Rodrigues do Valor Econômico do Rio, que discute a relação entre seres humanos e não-humanos.

Para antropólogo, a ideia do "eu" precisa dar lugar à de rede.



Roda de Conversa: Polissemias Trans com João W. Nery - 13/09/2012 - Horário 14:30 h

A Fundação Casa de Rui Brabosa e a Linha de Pesquisa Micropolítica do trabalho e o cuidado em Saúde da UFRJ, apresenta:



segunda-feira, 6 de agosto de 2012

Alejandro Acosta - Poeta argentino

Denise ofertou uma dica para  olharmos este link com poesias de Alejandro Acosta, poeta argentino, na opinião dela é para tomar na veia, no entender dela, que não é necessariamente consenso, como tudo.

domingo, 5 de agosto de 2012

Curva de Moebius - Valin Branco


Olá pessoal,

Em uma ida a Tiradentes, conheci o trabalho de Valin Branco.

Devido ao grande apreço do artista a um símbolo tão afinado com o grupo, decidi compartilhar a descoberta!

Espero que achem bacana!


"Você acaba vendo em alguma coisa que não tem utilidade para outros uma... Uma preciosidade."

sexta-feira, 3 de agosto de 2012

Livro em português do Deleuze e Guattari: Kafka por uma Literatura Menor

O livro está completo e legível, EXCETO, as páginas 15 e 16 e 125 e 126.Posso tentar escanear  o correspondente da outra Edição  que possuo e enviar.


Leitura complementar - Bruno Latour


Bruno Latour
JAMAIS FOMOS MODERNOS
Ensaio de Antropologia Simetrica

Tradução Carlos Irineu da Costa
Editora 34




Bruno Latour, no seu ensaio Jamais fomos modernos, refere que o «tempo que o calendário marca situa claramente os acontecimentos em relação a uma série regular de datas mas a historicidade situa os mesmos acontecimentos em relação à sua intensidade». Esta é uma verdade, que ele associa a uma observação de  Nietzche, segundo a qual «os modernos têm a doença da história. Querem guardar tudo, datar tudo, porque pensam ter rompido definitivamente com seu passado. Quanto mais revoluções eles acumulam, mais eles conservam, quanto mais capitalizam, mais colocam no museu». Latour pergunta: «Estaremos realmente tão distantes de nosso passado quanto desejamos crer?». Na realidade, como ele verifica, o «passado permanece, ou mesmo retorna. E esta ressurgência é incompreensível para os modernos. Tratam-na então como o retorno do que foi recalcado. Fazem dela um arcaísmo». Para os "modernos"  tudo «aquilo que não avança no ritmo do progresso é considerado (...) como arcaico, irracional ou conservador». Contudo, Latour ainda pergunta: «Há algum país que não seja uma “terra de contrastes”?». 
Latour propõe uma nova maneira de encarar a temporalidade: «Suponhamos, por exemplo, que nós reagrupamos os elementos contemporâneos ao longo de uma espiral e não mais de uma linha. Certamente temos um futuro e um passado, mas o futuro se parece com um círculo em expansão em todas as direcções, e o passado não se encontra ultrapassado, mas retomado, repetido, envolvido, protegido, recombinado, reinterpretado e refeito (...). Em um quadro deste tipo, nossas acções são enfim reconhecidas como politemporais». E, de facto, citando Clio de Péguy e Michel Serres «somos trocadores e misturadores de tempo». Não somos tradicionais, pois a «idéia de uma tradição estável é uma ilusão da qual os antropólogos há muito nos livraram. Todas as tradições imutáveis mudaram anteontem». A questão a ponderar é que «nunca avançamos nem recuamos. Sempre selecionamos ativamente elementos pertencentes a tempos diferentes. (...) É a seleção que faz o tempo, e não o tempo que faz a seleção. (...) É a ligação entre os seres que constitui o tempo». Nesta nova noção do tempo há ainda uma outra questão a reter, já sgerida por Serres, em 1989:  «A história não é mais simplesmente a história dos homens, mas também a das coisas naturais».
---
Bruno Latour (1991).